TODO APOIO AOS METROVIÁRIOS, CONTRA AS AMEAÇAS DO GOVERNADOR

Insensível à situação de risco a que trabalhadores metroviários estão expostos diariamente,  o governador João Doria aproveita as dificuldades do momento de pandemia do coronavírus e quer reduzir salários e retirar direitos da categoria.

Mesmo sem a conclusão da campanha salarial, o Metrô já aplicou cortes e reduziu os recebimentos dos trabalhadores no pagamento feito esta semana, denuncia a categoria. Em resposta a essa agressão a seus salários e direitos, os metroviários reafirmam, nesta terça-feira, 30/6, o estado de greve e uma nova data de paralisação foi indicada para 8 de julho, caso não haja avanço nas negociações.

Os metroviários não reivindicam reajuste salarial, querem apenas a manutenção do acordo coletivo de trabalho firmado no ano passado. O Metrô, insensível, quer reduzir o valor das horas as extras de 100% para 50%,  o adicional sobre as horas extras de 100% para 50% e o adicional noturno de 50% para 20%, eliminar o auxílio-transporte e o adicional de risco de vida dos trabalhadores de bilheterias e seguranças, reduzir a gratificação de férias de 70% do salário efetivo para 33% e a contribuição da empresa para o plano de saúde de 84% para 70% da mensalidade.

Com esta atitude é o governo João Doria que está empurrando os trabalhadores para a greve.

A bancada do PT na Assembleia Legislativa do Estado de SP manifesta total apoio aos trabalhadores metroviários e se coloca à disposição para mediar as negociações pela garantia dos seus direitos e manutenção da integridade dos salários.

Deputadas e deputados do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *