As dez “boiadas” de Doria

Por Luiz Fernando Teixeira Ferreira*

Lembram da expressão do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, “passar uma boiada”?  Ele se referia à flexibilização de normas ambientais para avanço do agronegócio, tudo isso enquanto a atenção da mídia está voltada para a Covid-19.

Pois bem, a estratégia de usar a terrível pandemia – uma tragédia que já fez mais de 110 mil vítimas fatais e mais de 3 milhões de pessoas doentes – passou a ser usada também pelo governador João Doria. Sim, o Bolsodoria não teve fim, as práticas criminosas de destruição e entrega do Estado são as mesmas, acredite.

Como é de conhecimento público, o tal “não sou político, sou gestor” enviou um projeto de lei para a Assembleia Legislativa que extermina dez órgãos públicos e autarquias, todos serviços essenciais para a população.

Só na área da saúde pública, o João quer acabar com a Superintendência de Controle de Endemias (Sucen), o que pode afetar inclusive este terrível momento de pandemia que estamos vivendo, pois a autarquia é responsável pelo controle de epidemias como a dengue e outras doenças que fazem e já fizeram grandes estragos e que, se não fosse a Sucen, poderia ter sido pior; a Fundação para o Remédio Popular (Furp), que fabrica e fornece medicamentos de baixo custo para mais de três mil municípios em todo Brasil, cujo fechamento causará um impacto terrível na assistência à população que mais precisa; a Fundação Oncocentro de São Paulo (Fosp), que presta um serviço de excelência no atendimento a pacientes com câncer de todo o Brasil por meio do SUS. Para se ter uma ideia de sua importância, em um ano são realizados cerca de 250 mil exames Papanicolau e 13,7 mil biópsias de colo, mama e pele, além de três mil exames de imuno-histoquímica por mês.

É uma maldade sem tamanho, disfarçada em necessidade de redução de custos. Ora, muitos dos órgãos se sustentam e não acarretam nenhum prejuízo ao Estado, sendo alguns superavitários. Trata-se da política de sucateamento do serviço público para favorecer o setor privado, largando o prejuízo sempre nas mãos dos mais pobres.

Outras autarquias e instituições poderão ser extintas pelo governo João Doria, são elas: a Fundação Zoológico, a CDHU, que hoje é a maior companhia responsável por gerar moradia popular no Brasil, sendo que, no estado de São Paulo temos um déficit habitacional estimado em mais de um milhão de moradias; a EMTU, que  tornará os serviços de transportes por ônibus intermunicipais ainda mais precários em cinco regiões metropolitanas no Estado; o Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo (Iamspe), aqui o governador começa a aumentar a alíquota paga pelo funcionalismo – de 0,5% para 1% para cada beneficiário e de 2% a 3% para contribuintes e agregados – e depois deve entregar para a iniciativa privada; o Instituto de Medicina Social e de Criminologia (Imesc), que é o maior centro de perícias de Medicina Legal e de Investigação de Vínculo Genético da América Latina; o Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp), a Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo “José Gomes da Silva” (Itesp) é mais um exemplo explícito de que Doria age de acordo com os interesses do capital. Quer extinguir Itesp para beneficiar latifundiários, retirando a assistência técnica que o órgão presta aos pequenos produtores, prejudicando diretamente a renda familiar nos assentamentos assistidos.

O PSDB vem há 26 anos desmontando o Estado, precarizando serviços, entregando São Paulo para o capital explorar e desvalorizando o servidor público. Ah, então: este projeto de extinções, se aprovado, quase seis mil servidores públicos serão demitidos.

Não podemos deixar extinguir nenhuma dessas autarquias e empresas públicas. Cada uma delas tem sua importância para desenvolvimento do Estado e tem enorme relevância na assistência e nos serviços aos que mais precisam.

Doria está aproveitando a pandemia para passar várias “boiadas” e não se trata de um problema da Assembleia Legislativa ou dos 94 deputados, lá é apenas o matadouro e, infelizmente, Doria tem ao seu lado deputados com o mesmo objetivo perverso e que definitivamente não estão ao lado do povo paulista.

*Luiz Fernando Teixeira Ferreira é deputado estadual em São Paulo.

 

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *