PT Alesp


Notícias

05/04/2018

OPINIÃO

Artigo do deputado Luiz Fernando: A quem interessa a perseguição ao ex-presidente Lula?

*Por Luiz Fernando Teixeira - Deputado estadual PT-SP e primeiro-secretário da Alesp

Lula, o presidente mais popular da história do Brasil e uma das mais importantes lideranças políticas mundiais, sem dúvidas também integra a lista dos mais perseguidos.

A estrutura montada para destruir sua reputação, e que empreende uma nítida caçada à figura deste que é o presidente que mais fez pelo país, assusta por suas dimensões que envolvem setores das elites, mídia e até do Judiciário, e que fomentam manifestações, inclusive físicas e ostensivas, como as que aconteceram contra a caravana de Lula pelo Sul do país, e que culminaram com um atentado a tiros na noite de 27 de março, em Quedas do Iguaçu (PR).

Mas a quem interessa essa perseguição desenfreada e violenta? Em um retrospecto histórico, compreendemos qual foi o verdadeiro crime de Lula perante os setores que hoje o perseguem e que assumem o objetivo histórico de interromper os governos do PT: implantar o maior processo de democratização social da história de nosso país, através da inclusão social de dezenas de milhões de pessoas que puderam conquistar direitos antes inimagináveis como: a casa própria, o diploma universitário, e mais do que poder aquisitivo, dignidade.

Os governos do PT mostraram como é possível diminuir a desigualdade social e interromper o ciclo de fome e a miséria, que por décadas foi rentável para um pequeno grupo de pessoas que sempre tiraram proveito das mazelas do povo carente, as chamadas indústrias da “fome”, da “seca” e tantas outras, deixariam de existir.
Como é que a ousadia de um governo poderia priorizar as políticas de integração regional ao invés dos Tratados de Livre Comércio com os EUA? E como poderia conquistar tanto avanço econômico apostando em políticas sociais? E elevar um país latino-americano ao patamar de emergente no cenário global a ponto de ser considerado a oitava economia do mundo? Uma ousadia que beirava a heresia, em um país que sempre teve “dono”.

Com o golpe que derrubou a presidenta eleita democraticamente, vieram os retrocessos: implantando uma agenda neoliberal contrária ao projeto eleito pelo povo brasileiro. A partir daí, a entrega do pré-sal, o fim dos programas sociais, extinção dos direitos duramente conquistados, a ditadura do Judiciário e o estado de exceção vão dando o tom do Brasil pós-golpe, elevando o desemprego, enfraquecendo a capacidade de negociação dos sindicatos, barateando ainda mais a força de trabalho e elevando a exploração dos trabalhadores e os superlucros dos patrões. Passo-a-passo, levando o país de volta aos velhos patamares que beneficiam poucos e massacram muitos. No plano externo, enfraquecer os Brics, isolando o Brasil desse eixo fundamental de criação de um mundo multipolar e favorecendo os interesses dos EUA de abaixar o perfil do país na América Latina e no mundo.

A condenação de Lula é política e não tem fundamento jurídico. Há um interesse político em tornar o presidente inelegível. A perseguição, as denúncias vazias, os vazamentos seletivos, promoveram danos irreparáveis a Lula. E hoje objetivam claramente mantê-lo fora da disputa eleitoral, que, certamente, o levaria de volta ao poder. As elites e seus agentes não suportam essa ideia e trabalham duro para destruir qualquer possibilidade de sua concretização.


*Por Luiz Fernando Teixeira - Deputado estadual PT-SP e primeiro-secretário da Alesp


 Tags

 Versão de impressão Enviar para amigo