PT Alesp


Notícias

12/12/2016

Balanço CPI da Máfia da Merenda

Nesta quarta-feira (14), PT na Assembleia apresentará Balanço da CPI da Máfia da Merenda- avanços e lacunas

Crédito:
Bancada do PT vai apresentar balanço da CPI da Máfia da Merenda na quarta (14)
Foram cinco meses de trabalho, com 22 sessões da CPI da Máfia da Merenda, que trouxeram revelações do funcionamento do esquema que envolveu integrantes da Cooperativa COAF e lobistas em conluio com agentes públicos nas Secretarias Estaduais de Educação, Casa Civil e Agricultura, além do presidente da Assembleia, deputado Fernando Capez, e seus assessores, envolvidos na Máfia da Merenda que levou R$1,3 milhão de propina do dinheiro da merenda das escolas estaduais.

O papel de cada um, os enfrentamentos à blindagem, as manobras da base, a truculência da PM contra os estudantes que acompanharam rigorosamente todas as sessões da CPI, os avanços nas investigações de quem roubou a merenda, serão alguns dos temas analisados na quarta-feira (14/12), a partir das 9h30, no Plenário Dom Pedro.

Em janeiro deste ano, assim que tomaram conhecimento da Operação Alba Branca, que deflagrou o esquema que fraudava as licitações da secretária Estadual de Educação, com superfaturamento da merenda e pagamento de propina a agentes públicos e políticos, os deputados do PT passaram a coletar assinatura para a instalação da CPI.

Os petistas alcançaram 26 assinaturas, sendo que são necessárias 32 adesões para o protocolo do pedido, mas este era primeiro obstáculo a ser superado. Isto porque as regras regimentais da Assembleia definem que a Casa pode ter apenas cinco CPI funcionando simultaneamente e, para uma sexta investigação existir, é necessário aprovação de Projeto de Resolução, que permite a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito.

Em maio ocorreu a histórica ocupação da Assembleia Legislativa paulista por estudantes durante quatro dias, o que trouxe luz a vários problemas das escolas públicas estaduais com destaque para a falta da merenda ou a precária qualidade do alimento oferecido pelo Estado.

Para desocuparem a Assembleia, os estudantes exigiram o compromisso da base governista na Alesp, de que a CPI da Máfia da Merenda seria instalada imediatamente.

Diante da repercussão do caso, os deputados apoiadores de Alckmin se renderam à pressão dos estudantes, à opinião pública, e a CPI foi instalada, mas com total predomínio da base de sustentação do governador - dos nove integrantes, apenas um é da oposição, função ocupada pelo deputado petista Alencar Santana Braga efetuada em consonância com toda a Bancada do PT.
Depois de muito tempo a Assembleia Legislativa de São Paulo rompeu o cerco à gestão do governador Geraldo Alckmin e instituiu a CPI da Máfia da Merenda, resultado da ação dos estudantes secundaristas e muito trabalho dos deputados petistas.

Rosário Méndez


 Tags

 Versão de impressão Enviar para amigo

Leia mais